Todas as Brigittes que há em mim

Vemos uma grande tendência atualmente, principalmente no mundinho das “it girls, fashionistas e adoradoras do mundo da moda em adotar modelos de mulheres famosas como musas inspiradoras para suas coleções , podendo adequar e acredito que até mais apropriado também para: suas vidas.  Audreys, Marilyns e Brigittes são as mais visadas. Não, eu não vim até aqui levantar a bandeira para encabeçarem esta lista Simone de Beauvoir, Cora Coralina ou Madre Teresa de Calcutá. Verdade que todas são mulheres extraordinárias e cada uma delas trouxe a sua marca e deixou seu registro na história. Mas voltando ao primeiro grupo quero  destacar  a mais linda delas e que serve como referência também para a minha vida que nada tem de coleções: Brigitte.  Acho maravilhoso que ela seja um ícone no mundo fashion mesmo porque beleza e atitude sempre foram seus pontos altos, daí a referência. Mas Brigitte é muito mais que um célebre penteado ou cor de cabelo. Para mim ela é a representatividade de todas as mulheres que há em mim, e e em cada uma delas a magnitude do que isto representa.

A primeira vez que me descobri apaixonada por Brigitte foi há muitos anos atrás ao me deparar com uma foto sua em uma matéria sensacionalista qualquer que não lembro bem.  Não se tratava no entanto de uma das  suas memoráveis fotos onde a sensualidade e o frescor da juventude saltassem aos olhos do leitor. Era uma foto de uma senhora já muito idosa com o rosto tomado por vincos e manchas e o corpo bem rechonchudo coberto por roupas pesadas de inverno sem nenhum glamour. O baque mesmo veio com a legenda mais abaixo em tom depreciativo sobre como a grande musa havia “embarangado” e bem  sabemos como podem ser maldosos estes comentários . Outro dia escutei um grupo de mulheres se deliciando em frente ao computador simplesmente pela constatação de que uma “amiga” das antigas havia engordado e já não era mais a beleza estonteante que muito as incomodara, certamente.  Detalhe: os anos e os quilos a mais não atingiram só a tal amiga , mas quem se importa com isto, não é mesmo?  O importante era eleger a infeliz ao mais novo objeto kitsch do momento. Chegava a ser cômico ver o brilho de satisfação nos olhos das expectadoras, satisfação semelhante que devem sentir os leitores deste tipo de matéria que fuçam no sentido de revolver com o focinho, mas ao invés de terra, a lama que julgam estar os outros, sem saber que enlameados estão mesmos seus corações.

Vi pois, Brigitte na tal revista. Era uma foto sem pose, destas pegas totalmente desprevenidas. Não que eu ache que se Dona Bardot fosse avisada, sairia correndo para ajeitar os cabelos e colocar uma corzinha nos lábios. O olhar dela dizia outra coisa. Gritava na verdade. Parecia brigar por algo e não era pequenas escaramuças, era guerra e das grandes. Curiosa, me aproximei e li as letras miúdas abaixo da legenda chamariz: brigava BB por aqueles sem voz , aqueles que apesar de dotados de grande  força ainda são subjugados pela ganância e maldade humana.  Brigava ela pelos animais, cansada talvez da humanidade em si e suas mesquinharias.  O seu desleixo pessoal possivelmente seja uma resposta a isto, a esta falta de grandeza das pessoas, que se satisfazem em ver um ser humano por baixo. Que a vejam, estes néscios, envelhecida, alquebrada pelos anos, sem viço na pele e cabelos . Que se comprazem por ela ter engordado, por não estar nem aí com o que é tendência nos grandes desfiles  e por suas marcas de expressão. Não serão estes parvos que notarão a beleza existente em sua alma e seu coração.

Tenho muitas Brigittes em mim : a atriz, a sensual, a suicida, a bela, a triste, a depressiva , a bipolar. Todas estas ficaram no passado. São fases  pelas quais passamos e a magnitude representada de que falei antes é esta: a delícia de quem somos com nossas dores e reveses, a delícia de sermos mulheres. A Brigitte que quero em mim é a atual : a guerreira, a brava, a  senhora de si. As Brigittes que vejo em muitas mulheres por aí afora que lutam por uma causa sem preocuparem-se com críticas negativas e que seguem adiante hasteando a bandeira daquilo que acreditam e com isto fazendo mesmo que um pouquinho, a sua diferença no mundo. Pois como diz minha musa: “Não há bons ou maus combates, existe somente o horror ao sofrimento aplicado aos mais fracos, que não podem se defender”.

Durmam com esta , “poderosashh”!

1235111_532673046812422_1236472699_n

Foto Google- Brigitte Bardot.

Anúncios

Um pensamento sobre “Todas as Brigittes que há em mim

  1. Pingback: Todas as Brigittes que há em mim | Blog da Anna Claudia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s