Tu

Eu te  conheço bem mais do que simplesmente teus olhinhos cálidos e teus cabelos com fios dourados a luz do sol. Tuas covinhas quando teu sorriso se alastra e teus lábios em um biquinho enquanto balança o lápis de cor frenéticamente de um lado ao outro , decidindo então qual tom ficará melhor para o vestido da princesa de cabelos cor de ébano. Preocupa-me o saber se tu gostarás ou não de mim. Aprovarás ou não o meu modo de ser,  agir e pensar. Gostarás dos meus escritos ou os acharás tolos e os esquecerás em um canto qualquer de teu quarto. Todas estas tolices me vem à mente para depois um dar de ombros despreocupado, tu não és assim, eu bem sei. Por que então estas reflexões insistem em martirizar o meu espírito? Não disseram-me que seria assim. Eu era tão livre em meus pensamentos que não lembro-me sequer com o que  minha mente ocupava-se outrora.

 Eu sei que quando acordas pela manhã gostas de resmungar e abraçar o travesseiro. Repele-me quando te abraço, mas é puro fingimento inicial , sem abrir os olhos mas com o sorriso estampado vira-se e corresponde carinhosamente. Sei qual é o teu cereal favorito, teu desenho predileto e o nome de teu amigo imaginário. Sei que  gostas de cães, gatos e se pudesse sairia de gaiola em gaiola soltando todos os passarinhos presos do mundo. Sei que te encantas pelas letras mas tens um ouvido apurado para a música e ao mesmo tempo a lógica da matemática a fascina,  dilacerando meu coração,  o que será desta menina meu Deus? Sei que as vezes  te perdes em sonhos e devaneios,  lembrando-me eu mesma em tempos tão distantes , e que sinto vontade nestas horas de realizá-los todos,  mesmo os mais inconcebíveis, para em seguida pensar que não se faz assim, o que foi lido mesmo, em algum livro de psicologia, ou dito pelas tias velhas, ou auscultado furtivamente nas salas dos consultórios médicos, não se faz assim, há de frear-se ,o mundo não é um mar de rosas, há de preparar-se para a vida…

 Eu sei todas as tuas vontades, tuas manhas, tua gula por doce de abóbora com muito coco ralado, sei do teu coração imenso e tua vontade de conhecer o Nepal.  Sei de tua necessidade de abraçar o mundo, de tua ojeriza a pimentão e de tua dificuldade em soletrar paralelepípedo. Eu sei tanto sobre ti  e tu nada sabes sobre mim. Já passei tantas vezes por ti, nas ruas, nas praças, nas esquinas e tu nunca pareceu me notar. Não importa, não importa menina, isto não é uma cobrança. Quiça , apenas uma constatação. . Um dia, um dia quem sabe,  algum destes anjos tristes que  andam por aí ,  destes cabisbaixos,  perdidos em suas próprias angústias assim como nós, mas não a ponto de deixar de  solidarizar-se com nossas tristuras, algum destes,  haverá de tocar as  mãos em teu rostinho lindo e o virará suavemente assim como o vento nos revira o cabelo em uma tarde de outono e tu  então me enxergarás  e juntas de mãos dadas poderemos enfim  voltar para casa.

Postado há 19th May 2009 por Anna Claudia

anjinha

Foto: Google.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s